quinta-feira, 22 de junho de 2017

Não foi há muitas semanas que apareceu uma notícia falando do interesse de determinado grupo hoteleiro em relançar-se no negócio dos transportes aéreos de passageiros.

Há uns anos, experimentaram e fracassaram (eram outros tempos e como começaram abrir-se outras portas e facilidades entregaram os aviões e guardaram a ideia na gaveta)

Pois agora, num curtíssimo espaço de tempo o sócio amigo, começou a atacar as políticas do governo de Lisboa, no seu entender responsáveis pela discriminação aos residentes nesta região (aqueles que foram pressionados a manter as mordomias do dito cujo nos corredores do poder, pagas pelo povo,  os verdadeiros azelhas deixaram de ser importunados pelo ''fala alto'' nomeadamente o queque colocado no turismo e transportes)

Primeiro foi com um texto publicado na folha dos seu amigos ingleses e agora do alto do palanque da Assembleia Legislativa, sim foi aí porque o homem não está para grandes misturas (nem pensou que é esse o ''altar'' escolhido pelo  Coelho para aos seus ataques de loucura) que debitou umas coisas sobre preços de viagens, promoções vedadas aos aqui residentes, custo de viagens na TAP para Canárias com o consequente desvio diz ele, de turismo para destino concorrente (coisa que prejudica imagine-se quem ???) e lançou uma espécie de grande acusação.

A TAP  de maioria pública é igual a uma TAP privada e ainda por cima recebe 50 milhões do Estado na operação para a Madeira.

Este súbito frenesim de quem não deve ter memória da última vez que pagou um cêntimo do seu bolso à TAP tráz água no bico.


Em certos gabinetes de um hotel cuja arquitectura (ou melhor desenho), são atribuídos a um comunista brasileiro de renome, imagina-se a conversa diária.

50 milhões? É muito dinheiro, e ainda por cima concretizava o sonho da linha aérea . Porque não para nós? Será bom ter um encontro discreto com o Trindade, agora que ele está lá metido e também leva por tabela com aquela de venderem barato bilhetes de avião para as Canárias?

Foi uma grande ideia amigo e velho sócio, esta de agitar o povo revoltado com os custos das viagens praticados pela TAP. Os menos atentos aumentarão a sua revolta, e quando derem conta de que voltaram a ser ludibriados, o bolo já estará nas nossas mãos.

Prada... procura na cave o velho dossier da Air qualquer coisa, sacode a poeira... pode haver alguma coisa aproveitável no estudo que mandámos fazer e assim poupamos uns trocos!

O nosso lobista permanentemente no terreno não gosta muito de trabalhar, mas como estarás farto de ver já nos ajudou a abrir as portas em muitas coisas.

Até a porta por onde entraste para o nosso grupo...lembras-te?

Comecem a pensar num nome para a coisa...e tu sócio e amigo de longa data a partir de agora não batas muito forte no tal chefe da ''geringonça''.

Até que sou muito amigo dele...e o Trindade também.

Diz mal de outros! Todos sabemos e tens uns odiosinhos de estimação.


Uma pouca vergonha 
Um escândalo.
Pensam que toda a gente anda a dormir.










  

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Foi há mais de vinte anos que se falou num tal projecto de uma Singapura no Atlântico.

Passado todo esse tempo, o que é que vem dali da área ''renovadinha''?

Oportunismo de quem tem vivido de projectos que lançados pelo anterior governo, como é caso flagrante do contabilista que por certo num momento de delírio falou em qualquer coisa que tem a ver  com desbloqueios???

Ora a atração daquelas geografias pelo Centro Internacional de Negócios é muito simples de entender.

Apenas com uma pequena industria instalada na concessão ''oferecida'' ao hoteleiro vindo da África do Sul e ao seu amigo colocado nas cervejas, sem grande investimento e com muito pouco pessoal, conseguem-se legalizar eventuais questões de ordem fiscal, pagar pouco IRC e ganhar alguma competitividade.

O ego de certos inventores, chega a roçar o ridículo!  

terça-feira, 20 de junho de 2017

Os poderes estão reféns da vontade de quem tudo quer e faz valer a sua influência (ninguém elegeu o hoteleiro a quem entregam terrenos públicos, e fazem contratos de concessão à medida do freguês). Esta é uma realidade que merece reprovação social.

Em tempos a personagem manifestou o seu interesse na permanência nos corredores do poder de um perdedor e lá conseguiu que o dito amigo, e diz-se por aí também sócio, mantivesse mordomias pagas pelo povo.

Deram-lhe de mão beijada o contrato de lavagem das roupas dos hospitais.

Concederam-lhe autorização para construir um hotel ''low cost'', junto ao complexo do Casino e hotel com o mesmo nome, e ele não se fez rogado e tomou conta de um terreno propriedade da região. Continua a fazer negócio em estacionamentos que fazem parte de uma concessão do governo, tendo o mesmo governo como cliente.

Em Câmara de Lobos foi elaborado um caderno encargos, por um tal Coelho à medida do ''guloso''.

A concessão do Centro Internacional de Negócios foi prorrogada sem concurso público.

As escolas, os departamentos do governo, e os hospitais parece que são pressionados para comprar apenas produtos da Empresa de Cervejas hoje nas mãos dois dois amigos e sócios .

Foi dada utilidade turística a um hotel sem licença e sem condições que parece estar isento do pagamento de IRC (triplicou o número de quartos). Dado sem concurso na Praça do Mar o hotel tomou conta do espaço envolvente, sendo servido por uns portões que a partir das onze da noite, cortam o acesso do povo à praça.

Tudo isto enquanto o amigo e sócio, protegido nas suas mordomias suportadas por dinheiros públicos, lá vai viajando com frequência para a ilha de Man e arredores.


segunda-feira, 19 de junho de 2017

Está à vista de todos!

Só no círculo próximo do chefe, nos gabinetes do poder, nas bancadas do parlamento ou na sede do partido não se vê e aceita a realidade.

Em dois anos apenas destruíram o PSD e provocaram a divisão.

Ninguém trabalha e ninguém fala com ninguém. No parlamento há um ''puto'' convencido que ninguém conhece, que mostra muita falta de coerência nas suas ideias, e revela falta de força.

No governo é o que se vê. Não tem chefia, cada um manda a sua ''papaia'' diária e todos fazem autêntica sabotagem uns aos outros.

Nada se decide mas mesmo assim, ainda se permite a um manga de alpaca vender a loucura de um superavit (continuam a deixa-lo viver na obsessão do pagamento rápido da dívida) enquanto o povo desespera com o estado da saúde e passa dias e dias bem lixado.

O queque da dita economia tem como prioridade os subsídios ao seu irmão para que este possa fazer umas brincadeiras com uns barquinhos à vela no mar, enquanto os seus amigos e respectivas ''madames'' se pavoneiam na tenda montada na Praça do Povo ( palavra e  local que os descarados combateram) realizando à custa dos dinheiros públicos o sonho de um fim de semana numa espécie de ''Mónaco''.

Este a quem deram um tacho no governo nunca há-de perder a sua sobranceria continuando a julgar-se o salvador do Turismo.

Há ainda o ''sem malícia'' em crise e sem coerência no discurso.

O farsante não toma decisões capazes e adia tudo. Veja-se a Escola da Ribeira Brava, cujas obras disse que iriam começar em 2016.

Será que no calendário dele também estamos em Junho de 2017?

Do Hospital nem vale a pena falar.

Com estes ''renovadinhos'' é só passeios compadrios  e conversa fiada, enquanto o povo mantém-se à espera de coisas concretas (até um dia).

Eles tomaram  de assalto o poder e o partido.

Desuniram!

Foram buscar oportunistas, gente sem qualidade e desconhecidos com falta de nível.

É preciso salvar a Madeira!


domingo, 18 de junho de 2017

O povo não tem Serviço de Saúde em condições, os hospitais públicos estão uma desgraça (mais parecem uma ante-câmara para a fatalidade e não um lugar onde as pessoas esperam um tratamento para as doenças de que padecem).

As escolas não têm condições.

Os transportes públicos são caros, inseguros e os meios ao serviço mais parecem sucatas em movimento.

As estradas do interior são um verdadeiro perigo para todos os que as utilizam.

As reformas continuam miseráveis e muitas vezes chegam tarde e a más horas.

Com este cenário de verdadeiro susto a geringonça liderada pelos socialistas e apoiada pelos comunistas e pelos meninos e meninas do bloco, prepara-se para gastar 500 milhões (dizem estes sem vergonha) numa dita modernização das forças de segurança.

Grandes negócios ao serviço de interesses obscuros estão em marcha.

E o povo que se lixe porque o que eles querem é manter o controlo do Estado!  

sábado, 17 de junho de 2017

Ao contrário daquilo que alguns ''espertalhões querem vender a diminuição do número de registados  do serviço de desemprego, não equivale a dizer que o desemprego diminuiu.

Eles tentam ocultar a triste realidade. Há falecidos (sim há mais do que se pensa) há muitos que emigraram, outros que pela saturação da espera, desistiram e entre estes os que perderam o direito ao subsídio de desemprego.

Mesmo assim,  entre os três mil e trezentos que deixaram de constar nas listas há um dado curioso.

Mais de trinta por cento vêm do sector da construção civil e  cerca de quarenta por cento, correm o risco de acabarem a vegetar no desemprego mal acabe a construção do novo hotel Savoy  e terminem as obras da Lei de Meios.

Há uns idiotas que passam a vida a  dizer mal das obras em curso, mas com o cinismo que os caracteriza, aplaudem sem vergonha a razão de haver quem viva de empregos que são meramente conjunturais.  

sexta-feira, 16 de junho de 2017

O tal que é meio Porto Santo e meio São Vicente, continua a asnear!

Agora numa viagem a Santarém deu-lhe para dizer que a Madeira estava na moda, como se ele um atordoado que por aí anda tivesse feito alguma coisa por isso. Todos nos lembramos do mal que disse daqueles que colocaram esta terra à frente de todos os interesses e interesseiros (alguns infelizmente ainda se encontram no activo).

A criatura tem a triste sina de só abrir a boca para dizer tontices como ainda um dia destes numa teoria a propósito de porcos.

Se houvesse decoro já o tinham posto a andar. Lembrem-se que ainda não há muito, em 2103, nas autárquicas andou a pedir o voto no candidato socialista, hoje presidente da Câmara do Porto Moniz.

Se tiverem memória recordar-se-ão também do seu papel na divisão do PSD em São Vicente.

Agora em mais uma demonstração do seu carácter anda a pedir às pessoas para votarem num candidato (que se diz do PSD) que foi braço direito de Emanuel Câmara no Porto Moniz.

Trapalhadas nunca vistas num partido tomado de assalto por uns irresponsáveis.