sexta-feira, 28 de julho de 2017

As eleições autárquicas dão para tudo, até para grandes golpes de rins, como um que vimos um dia destes protagonizado por um antigo socialista, antigo deputado eleito nas listas do PS e até (imagine-se) candidato à presidência da Câmara também pela oposição socialista (o que ele disse sobre o partido pelo qual agora dá a cara), e que se apresenta agora em lugar secundário na candidatura laranjinha.

A ''proeza'' aconteceu na Ribeira Brava e tem o patrocínio ''renovadinho'', comprovado pela presença em fotografia para a posteridade de um certo mandão (ninguém tem mão na criatura) do partido situacionista que nos desgoverna. 

Entretanto, negam-se remodelações, ao mesmo tempo que se mudam pessoas na estrutura do governo, e esconde-se o mais que se pode os contornos de um grande concurso de informática, que segundo dizem se encontra em fase muito adiantada.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

O menino que enriqueceu com uns dinheirinhos ''arrancados'' pelo papá nos bons tempos da Venezuela, a que se juntou uma boa fatia deixada por um tio padre, quer à viva força ser político. Tem no seu currículo  a falência de um partido (diz-se que esbanjou o dinheiro com os seus parceiros Welsh, Baltazar, Dionísio e Tó Pó) mas mesmo assim anda em roda viva, numa chamada coligação ao lado do Coelho da triste figura (o de cá) e de um certo enfermeiro incompetente .

Como se sabe, o partido nunca apresentou contas e eles ficaram em apuros perante o Tribunal. Para não cair nas malhas de uma cela após a extinção do partido, o menino fez tudo para se manter como deputado independente na nossa Assembleia, garantindo assim um ''tacho'' e um ordenado que pelo menos deve dar para os seus devaneios mensais.

Passou pela Câmara do Funchal, foi posto a andar (queria andar em roda livre ) e agora quer lá voltar.

Para fazer o quê?...boa pergunta!

Está mais do que visto que quer salvaguardar os seus interesses e garantir que ninguém toca nos terrenos deixados pelo papá e pelo titio. Situados em locais onde não se pode construir, ele assim mantém a esperança de poder contornar os planos e regulamentos municipais mas também a lei.

Para já para acompanha-lo na ânsia do voltar a mandar nos corredores da câmara, terá reunido os apoios de uma menina do clã Jardim Fernandes, de um enfermeiro traumatizado com a mania que é culto... muito culto, e para compor o triste ramalhete, um nome vindo de uma família do velho regime do ''botas'' de Santa Comba, uma tal Clode de quem já ninguém se lembrava, a não ser uns quantos que ainda se recordam das soberbas e dos maus tratos à criadagem feitos pelos Clode.

Por enquanto lá vamos vendo o ''pretendente'' por aí de braço dado com um Noronha, que se diz monárquico.

Isto está cada vez mais bonito com mais este desfile de oportunistas, incompetentes, enganados e falidos.


quarta-feira, 26 de julho de 2017

Fala o roto do esfarrapado.

O antigo bombeiro que foi mandado passear por se ter tornado insuportável lidar com ele no quartel, fez-se político, com os tristes resultados que estão à vista.

Agora resolveu criticar aqueles que receberam na Madeira uma certa ''personagem''. Os argumentos a que recorreu encaixam-se como uma luva na sua triste figura, que mesmo tendo passado por várias desconsiderações e desprezo pela parte do outro que aqui veio, aceitou participar na rábula pública que motivou a deslocação do chefe da geringonça nacional, mesmo relegado para o meio dos oportunistas que lá se encontravam.

Não é a primeira vez que este líder a prazo surge em público inchado de importância, tentando vender aos madeirenses uns aldrabões do lado de lá . Foi assim com Sócrates, tendo na altura o ''nosso ex-bombeiro'' aparecido no papel de emplastro, de braço dado com o Freitas e com o menino Trindade, já na altura o preferido de Lisboa.

São aves da mesma plumagem - Sócrates, Pereira, Freitas, Trindade, e agora também o careca e o Caldeira.    

terça-feira, 25 de julho de 2017

A propósito da vinda à Madeira do destituído Passos a televisão do tio Balsemão, passou (a encenação parecia previamente combinada) um diálogo entre ele e um bêbado do leste da ilha, conhecido como o meia bola, onde os dois falavam em tom de gozo sobre uma anterior passagem do traste pelo Chão da Lagoa.

Falavam de um episódio passado, que metia copos nas barracas da Festa, com o mentiroso aldrabão a ficcionar e a tentar ofender.

Sendo célebres as suas rondas pelas tascas lisboetas que acabavam quase sempre com os seus parceiros da noite a terem de o arrastar e muitas vezes a dar-lhe abrigo em vãos de escada, o tipo deve pensar que todos têm um passado igual ao que modelou o seu característico comportamento vingativo e malcriado.

Com a corda toda (dada pelos comandantes da situação) agora até se dá à ousadia de se anunciar para o próximo ano, não sem antes gozar na cara dos seus anfitriões sobre eventuais resultados nas eleições de outubro.







segunda-feira, 24 de julho de 2017

O traste sempre veio à Madeira e fe-los passar a vergonha (se é que ainda há réstia da coisa nos senhores da situação), da partilha do palco da mentira.

O aldrabão Passos Coelho roubou a eito portugueses, madeirenses e porto-santenses, não respeitou orgãos e eleitos pelo povo desta região, vingou-se impondo uma dupla e penosa austeridade ao nosso povo e mesmo assim foi convidado para estar presente no lugar onde antes se celebrava a Autonomia.

Merecem censura e desprezo aqueles que o trouxeram e se submeteram ao escândalo de ouvir e calar  as tontices ditas ali mesmo ao seu lado pelo mentiroso Passos, um homem que prejudicou o país e continua a desgraçar um partido que é também deles (que se saiba). 

Não há justificação aceitável para o convite feito ao tipo para mais esta ida à Herdade do Chão da Lagoa.  

O descarado Passos Coelho, disse lá em cima que a República ganha dinheiro com os juros do empréstimo à Região Autónoma. A lata está mais do que visto não tem limites, pois foi o governo por ele chefiado a impôr à Madeira esses juros vergonhosos.

Agora mostra-se muito ''penoso'' e defende a diminuição deste encargo, logo ele que foi responsável pela imposição de um garrote financeiro aos madeirenses e ordenou o aumento do IVA, do IRC e do IRS na nossa terra. 

Foi este antigo primeiro-ministro sem qualificações para o exercício do cargo, que nunca aceitou o financiamento da obra do novo hospital da Madeira.

E que dizer das centenas de milhões que ele mandou desviar do Fundo de Coesão destinado à Região Autónoma, com a conivência da figurinha que ele impôs a esta malta, para governar as nossas finanças.

Este''deslumbradinho'' deixou-se apanhar pelo cânticos lisboetas e está transformado num verdadeiro representante dos interesses instalados no poder central. Veja-se uma recente contratação que acaba de fazer.  

Quanto ao Passos é preciso manifestar alto e bom som o repúdio às suas vindas a esta terra. 

Viram? Como se previa não falou de autonomia, não se conhece uma pergunta sobre o tema, feita pelos que andaram à sua volta de microfone na mão, nem ele se deu ao trabalho... não tem uma ideia válida sobre o tema.

Faltou-lhe a cábula ou alguém o avisou para não voltar a fazer a ''gracinha'' de surripiar uma ideias alheias, como o fez em discurso recente na Assembleia da República.

Convençam-se!
Este tipo não presta... assim não vão a lado nenhum! 








domingo, 23 de julho de 2017

A apresentação da candidatura do careca foi um verdadeiro fracasso por mais que haja gente paga nas folhas e tentar dizer o contrário.

Havia mais manifestantes do grupo de lesados do Banif e do BES e alguns passantes de ocasião, do que gente propriamente interessada na fantochada promovida pelo recandidato vendido aos poderes de Lisboa e hoje um dos maiores clientes dos folhetos  publicados nesta paróquia.

Marcaram presença,Vitor Freitas o sem profissão, que imagine-se, chegou a liderar os socialistas locais, o ''pereirinha'' sem vergonha que foi vezes sem conta desconsiderado pelo patrão da ''geringonça, também lá estava ofuscado pelo menino Trindade, o preferido, agora a gozar as mordomias do ''tachão''da TAP, um tal Caetano conhecido pela sua incompetência crónica (mas quando se trata de arranjar empregos para os familiares é mestre ), o casal cata-vento Matos, os inevitáveis membros dos clãs Caldeira e Jardim Fernandes, os manos Martins (não os da zona leste) ocupando lugar de destaque o velho Max antigo espião do KGB soviético, os palerminhas sonsos dos polos verdes, o ''joguete'' da senhora dona Guida... enfim um friso de gente com uma vida que se tem  ajustado ao longo dos anos a todas as estações e situações.

Um verdadeiro folclore e muita idolatria ao enviado do poder colonial, que bem tentou ajudar a compor a comédia de fim de tarde exibida ao ar livre na cidade do Funchal.

No fundo, no fundo, contas bem feitas, não estariam mais de cinquenta pessoas a assistir e a participar  na pobre  produção comprada a uma decadente empresa lisboeta. Ahhh careca enganado...

Ver esta brigada neste ajuntamento trouxe à memória uma jantarada comicieira realizada há uns anos no cais da cidade, onde a vedeta que eles bajulavam se chamava Sócrates.

Para agravar as coisas que vão acontecendo por cá nestes dias, não falta muito para um certo desqualificado debitar umas asneiras bem aos seu nível, numa festa que já foi um mais importantes eventos públicos de celebração dos valores da Autonomia.


sábado, 22 de julho de 2017

Merece censura esta ''cubanização'' (no sentido lisboeta e não em referência ao desaparecido Fidel) a que se vem assistindo na política madeirense.

O servilismo que pensávamos afastado dos corredores do poder e dos comportamentos, chega a pairar como uma ameaça ao conquistado pelo nosso povo, depois de anos de luta contra o centralismo e comportamentos tipicamente colonialistas que caracterizam uns certos visitantes.

Será mesmo preciso dar lugar de honra, como estamos a ver, a gente que nunca deu mostras de se preocupar com as dificuldades que ainda caracterizam a nossa insularidade?

Não se iludam com as praças cheias e com as lambuzisses de escribas e agenciadores bem pagos.

Vejam bem quem aparece e porque razão o faz, e procurem reflectir sobre certas ausências.



 

sexta-feira, 21 de julho de 2017

O ''novo'' panfleto que se publica na região, sustentado de forma directa e indirecta pelos dinheiros do povo, tem à frente um sem coluna que publica aquilo que o mandam escrever.

A propósito da vinda à Madeira da cantora quase septuagenária, Fafá do Brasil, que irá apresentar-se nas serras do Funchal, exibindo o seu melhor play-black, mandaram-no alertar e ele como bom serviçal cumpriu, que para ir lá acima, não é preciso apresentar o cartão de militância partidária (os mandantes lá sabem como é que as coisas andam)

Devia saber que nunca foi condição, como se pôde ver em anos passados, o controlo de entradas em função de escolhas partidárias. A afluência dos madeirenses conscientes e apoiantes dos valores da nossa Autonomia teve momentos históricos chegando a atingir as 40 mil pessoas.

Se fosse só para militantes aquilo nunca enchia.

O número máximo de militantes com quotas em dia, só aconteceu em 2014, em consequência de aldrabices patrocinadas. Só assim se compreende que passados dois anos a coisa se tenha ficado pela metade.

No ano da tomada do poder no partido, houve disponibilidade de uns certos empresários que momentaneamente se tornaram uns mão largas, coisa que está mais do que visto só acontece em situações muito particulares. Até o forreta dos hotéis fingia que não via as contas que
lhe chegavam diàriamnete à secretária com as despesas da candidatura do sócio/amigo que fracassou estrondosamente na política, mas que tinha como crédito muitas portas abertas e a participação no acesso a negócios chorudos.

Depois houve também uns venezuelanos, uns ribeira-bravenses e um da Calheta que foram  ''forçados'' a participar no festival do pagamento de quotas e jantaradas.

E vem o interesseiro feito director do folheto de segunda categoria, promover aquilo que em tempos sempre tentou ridicularizar.

O que faz o dinheiro!    

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Passados tantos anos, ainda há nesta terra quem precise da ''benção'' de uns continentais numa tentativa pateta para impressionar??? o povo.

Ainda bem que esse chão já deu a colheita que tinha para dar, e a maioria do povo madeirense está vacinada e a marimbar-se para esta gente vinda de Lisboa. Já não vai em conversas de vendedores de pentes, e não se impressiona com conversas fiadas com sotaque lisboeta e muita aldrabice.

Mas que fazer... se há gente com idade e rodagem para saber que os tempos são outros a insistir e a persistir no convite a aldrabões encartados, enquanto outros deslumbrados pelo poder mantido à custa de muito dinheiro público derramado nas folhas diárias, em particular na inglesa, se preparam para ensaiar mais uma rábula tipo emplastro (coitados dos fotógrafos) durante uma cerimónia a realizar em espaço público, perturbando a vida normal da cidade.

Pergunta-se... porquê este servilismo? As eleições que contam não são para o poder autárquico da nossa terra?

Ainda por cima, um dos visitantes roubou-nos e prejudicou deliberadamente a vida das populações da Madeira e do Porto Santo, enquanto o outro ainda nada fez para melhorar as nossas vidas. Não tem passado de um empata, com tiques colonialistas, que chegou ao ponto de desconsiderar as decisões da estrutura regional do seu partido.

Se entre portas é assim imagine-se quando se trata dos outros, aqueles que não seguem a sua via socialista conluiada com o radicalismo dos seus parceiros da ''geringonça''.



     

quarta-feira, 19 de julho de 2017

A espécie de ''Assembleia de Freguesia'' que tem à frente um rapazinho que recrutou  todos os funcionários do seu antigo??? escritório de forma a aliviar a tabela salarial à sua conta, fechou...finalmente para férias.

Ali do alto da ''importância'' da mesa que conduz os trabalhos o rapazinhho, ocupa-se a dirigir a fraca  capacidade de dialéctica dos seu pares que passam vida a falar sobre o problema do buraco na estrada, sobre a falta de água num recôndito lugar, sobre a escuridão por falta de luz num outro sítio, e mais umas minudências, típicas de uma reunião participada por uns inúteis como o ''gilinho'' que apareceu a falar em tom de típico de um padre fora de época (devem ser efeitos da horas passadas junto do velho sacerdote que foi íntimo e ajudou a sua família a enriquecer).

As populações da Madeira e do Porto Santo, continuam a ser  esquecidas por um parlamento onde têm assento uns incompetentes sem bases e cultura política, independentemente do partido representado. Na oposição??? encontram-se uns desempregados. Na situação exibem-se uns palermas que nunca souberam o que é trabalhar de facto.

O povo está cansado e tem todas as condições para fazer ouvir as sua voz já em outubro deste ano, preparando a grande mudança em 2019, onde aí sim há oportunidade de afastar todo o parasitismo  instalado e manda-lo para as listas do desemprego.

É bom lembrar que muitos dos que hoje vivem à grande por força da sua colocação nos lugares, nunca ''vergaram o serrote''.

A coisa fechou com um debate anual sobre a tristeza da Região e foi de gargalhada assistir ao passa culpas do falhanço dos últimos dois anos para o Terreiro do Paço, como se eles não tivessem sido eleitos e mandatados pelo povo para governarem a Madeira, usando as competências que se encontram consagradas na Constituição e no Estatuto (o que não implica que estas leis  não careçam de revisão urgente).

Se é para continuarem a gritar pela intervenção do poder de Lisboa nas coisas que só a nós dizem respeito é melhor fecharem a loja!

terça-feira, 18 de julho de 2017

Consta por aí que o telefone do controleiro da quinta, não tem tido descanso nestes dias.

Os dois folhetos ao serviço da situação, estarão a disputar as mesmas entrevistas para as edições do próximo fim de semana.

Vamos aguardar para ver quem vai ficar com aquele que desgraçou o país e o partido, e quem vai lambuzar o chefe.

De um já se sabe o que pode sair...
Banalidades e falta de rasgo de alguém que anda à deriva.

Do outro, o que aqui vem em busca de tempo de antena nas televisões nacionais, estando a marimbar-se como é seu hábito para as preocupações do nosso povo, muita chachada e descaramento.

Aguardemos neste último caso pelas recomendações que o controleiro irá fazer junto do aparelho lisboeta.

O problema deles é que há cada vez menos pessoas  (militantes ou não) com disponibilidade para aturar fantochadas!

segunda-feira, 17 de julho de 2017

O Tó Pó é um daqueles que por onde passa cheira a m....

O folheto inglês liderado pelo bafos, por certo com conivência superior, continua a alimentar os devaneios e outras carências do dito, que a tudo se presta para sobreviver, não importa se com amigos ou fazendo inimizades... o que interessa é facturar algum. 

É neste ponto que se mantém a aliança entre o PÓ  e a folha. Em estado de desespero eles estão a agarrar-se a tudo. Pensam que as loucuras do palerma vendem, mas na realidade aquela porcaria impressa acumula-se todos os dias nas bancas e está nas horas da amargura, sem leitores. 

No entanto, para pagar os servicinhos ao ''cavalheiro'' é só tirar uma coisinha àqueles milhares (dinheiros escandalosamente retirados ao povo) usados pelos clientes dos suplementos, anúncios e notícias compradas.






  



domingo, 16 de julho de 2017

Há cada cambalhota!

Um tal que chegou a liderar a juventude do PS, e foi durante muito tempo ponta de lança dos socialistas no folheto inglês aproveitando todas as oportunidades para dizer mal do PSD e do anterior governo, passou a elogiador da nova situação.

O que faz o dinheiro! Ética e coerência não fazem parte do carácter desta figurinha que segundo consta, afirma estar apenas a obedecer àquilo que o mandam fazer.

É este o triste ambiente que se vive na dita social, onde se movimenta também o camacheiro que atravessou a Rua Fernão de Ornelas e que passou a ser igualmente mais um elogiador por ordem dos novos ricos a quem o ''sem malícia'' fez um frete.

Agora há uma onda de unanimismo. São páginas e títulos garrafais a dizer bem do chefe, do ''sem malícia', do contabilista, do antigo gestor de condomínios, do careca e até do representante da ''geringonça'' na Madeira.

A disputa dos milhares gastos em cadernos, anúncios e subsídios vai brava. Um milhão para o chamado JM, outro milhão para a folheto vizinho, uns milhares para calar uns que reclamam todos os dias.

São quase dois milhões e meio em movimentações anuais de dinheiros do povo, que podiam ser aplicados em dezenas de habitações para as pessoas carenciadas.  

sábado, 15 de julho de 2017

No panfleto inglês continua a política do vale tudo, desde que seja para dar cobertura favorável a quem lhes paga (e bem) a propaganda mentirosa.

Recebem as encomendas já escritas e entregam-nas a jornalistas inexperientes e sem competência que nada questionam. Veja-se a mentira enviada pelo careca a propósito de uma espécie de ''miragem'' sobre benefícios fiscais.

O que  fez uma pobre rapariga que assinou por baixo o texto publicado sobre o assunto? Sem questionar nada nem ninguém deu eco à barbaridade vinda do gabinete do careca recandidato, dizendo que a Câmara vai dar benefícios fiscais aos funchalenses.

Mentira!

Quem tem competências para tal é o Governo da República, a Assembleia da República e o Governo Regional, neste caso nos termos previstos pela Lei das Finanças Regionais.

Em matéria de reabilitação urbana é a legislação nacional que define os termos da redução do IVA. A Câmara também não tem capacidade para tocar nas isenções de IMI. A Câmara apenas pode mexer nas taxas municipais.

Aprendam, leiam e estudem antes de escrever asneiras. Não embarquem nas conversas das chefias vendidas.

Não enfileirem na lista de jornalistas ignorantes que rodeiam essa gente sem escrúpulos.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Cuidado que ele até discursos rouba.

Soube-se agora que a intervenção que o homem fez na Assembleia da Republica durante o debate anual sobre o Estado da Nação, tinha sido poucas horas antes da sua subida ao palanque, copiada do facebook de um seu antigo ministro (a seu mando tentaram limpar os vestígios mas já era tarde).

Seria coisa para uma boa gargalhada se não fosse demasiado séria. Esta criatura que ainda continua nas boas graças da cúpula que lidera a actual situação aqui na Madeira, coisa que se compreende face aos ódios de estimação partilhados, prejudicou o país e continua a prejudicar o PSD, mas vá lá saber-se porque razões, voltou a ser convidado este ano, para exibir o seu barretinho com tecido roubado aos trajes do folclore regional.

Àqueles que ainda recentemente (contra a corrente dominante) falaram alto, bem, e para bom entendedor, sobre Autonomia no parlamento da Região a 1 de Julho, recomenda-se cautela não vá o tipo recorrer ao plágio na discursada lá em cima, tentando assim branquear o seu conhecido passado.  

Como se sabe, não é de confiar no comportamento e na palavra deste político cuja fácies cada vez mais é o espelho de alguém de mal consigo próprio e em estado de desespero.

Já agora lembram-se de alguma frase, gesto, escrito, pensamento ou seja o que fôr da autoria deste  homem, sobre as Autonomias Regionais?

É claro que é difícil...mas agora que ele se prepara para aqui desembarcar, aproveitem para perguntar-lhe qualquer coisinha sobre a Revisão Constitucional (não o deixem falar sobre as baboseiras que constavam num documento elaborado nos  primórdios da sua liderança pelo louco Teixeira Pinto que andou pela banca, e que alguém de bom-senso o mandou encaixotar). Falem-lhe de Autonomia e do Estatuto Político Administrativo (não aceitem misturas e comparações com os Açores a treta a que eles se agarram quando nada têm para dizer). 

Vão ver que dali não vai sair nada. 

O tipo convive mal com a nossa realidade, odeia a palavra Autonomia e detesta os madeirenses a quem fez pagar caro, um gesto de liberdade tomado em tempos numa reunião partidária. 

Pior?... talvez o velho ditador de Santa Comba, mas esse ao menos tinha algum intelecto! 








  



quinta-feira, 13 de julho de 2017

O traste vem à Madeira a convite desta gente que, comprovadamente, agora é mais notório, foi insensível ao roubo feito ao povo desta terra e à constante falta de solidariedade do governo que teve o desqualificado sem profissão como primeiro-ministro.

Ele impôs aos madeirenses juros superiores aos pagos pelo restante país. Juros superiores aos que Portugal paga e chefiou um governo que desviou os dinheiros do Fundo de Coesão destinados à Madeira.

Só se pode entender como ''marimbanço'' para o povo e provocação, o convite para a Festa do Chão da Lagoa, ao vingativo sem bandeira (a que ostenta na lapela) é tão falsa como a sua personalidade.

Por cá parece que se esquecem dos processos e perseguições a deputados do seu próprio partido, eleitos pelos madeirenses e pelos porto-santenses, por terem ''ousado'' colocar a sua terra e os seus eleitores à frente dos interesses da besta.

Mas será que ainda não perceberam que o homem só afugenta?

Em Março foi publicado neste blogue, um texto que terminava com uma recomendação que parece continuar a não ser tida em linha de conta por estes ''renovadinhos'';
 

Só para lembrar o pensamento de Sá Carneiro a quem anda por aí a defender o centro direita  e a outros que não respeitaram o legado do fundador:

''Somos o que somos; não temos medo de parecer o que somos, autenticamente social-democratas''

''O PSD não é um partido neo- liberal e não é de centro-direita.''

''O PSD é o partido mais português do panorama político português.''

''As nossas qualidades só podem ser aperfeiçoadas e os nossos defeitos diminuídos, se todos, velhos e novos procurarmos um rumo comum, baseado na diversidade de posições, no livre e continuado debate de ideias e de programas.''

''O modelo capitalista de desenvolvimento conduz a que dentro de um mesmo país, seja cada vez maior a distância que separa ricos e pobres.''

''Nós Partido Social Democrata, não temos qualquer afinidade com as forças de direita, nós não somos uma força de direita.''

''Uma política económica e uma política social tem de ser uma política de programa de desenvolvimento, e não pode ser uma política de contenção e de estrangulamento.''

''Não há pressões de direita ou de esquerda que nos façam alterar o nosso programa. Não há pressões de direita ou de esquerda que nos façam alterar a nossa política social-democrata.''

''Um Partido Social Democrata  não é apenas militância organizada com vista à conquista do poder por meios democráticos, não é nem pode ser, mera máquina eleitoral.''

''Em política, talvez mais do que noutros campos o que interessa é o que vamos fazendo, muito mais do que aquilo que nos propomos atingir.''

''Mesmo nos povos mais conformistas a paciência tem limites.''

Aprendam!

E agora acrescentamos, aprendam mesmo, se não querem perder o cada vez mais escasso eleitorado que ainda vos dá o voto!

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Há aquela velha máxima;

-Só não muda quem é burro!

Foram anos a alertar para o erro de se avançar com um novo Estatuto para a Região, sem antes propor e discutir uma profunda revisão Constitucional.

Estava à vista de toda a gente que seria uma pura perda de tempo discutir uma nova lei aqui, sem criar condições para lançar uma verdadeira mexida na Lei Fundamental.

A teimosia lá pelas bancadas da Avenida em frente à bonita Praça do Povo durou mais ou menos dois anos.

Agora mostrando que afinal havia por ali algum bom-senso escondido (no passado dia 1 de Julho já se notou alguma coisa) e gente que pensa bem a política, parece que a estratégia vai mudar (ou já mudou?).

Resta aguardar pela reacção do grupo que anda à volta da chamada geringonça aqui e lá, mas também conhecer o pensamento do ressabiado Coelho que fez a vida negra aos portugueses e com especial ''requinte'' aos madeirenses e porto-santenses. Infelizmente ainda há quem espere alguma coisa deste desgraçado e da tia que se encontra à frente do CDS.  

Aguardemos, com muitas cautelas mas aguardemos.

Na outra vez registou-se unanimidade e consenso quando o documento enviado pela Madeira  subiu ao plenário de São Bento, mas seguiram-se vezes sem conta momentos em que os instalados na antiga capital colonial, fizeram-se de tontos.

Aliás assumiram o seu estado normal!

terça-feira, 11 de julho de 2017

Eles teimam em falar de obras como se o governo a que pertencem tivesse lançado ou adjudicado qualquer coisa nova.

A lata começa no chefe e contagia os seus ajudantes, como é caso do sem emenda incompetente e antigo gestor de condomínios feito secretário. O que vem do aproveitador ''sem malícia'' já não surpreende.

Falaram na grande obra realizada em Santana, mas tudo fazem para tentar fazer esquecer que foi o anterior presidente, pessoa que muito criticaram a lançar os concursos, a adjudicar e a iniciar os trabalhos. Todos sabemos que só aquela coisa chamada PAEF, obrigou a suspender o que  se encontrava no terreno muitas em adiantado estado de desenvolvimento.

Falam da visão do governo a que pertencem, mentindo e aldrabando, tal como já o fizeram com a história do túnel da Madalena.

Ali, receberam um túnel já aberto, a que apenas faltava instalar equipamentos e acabar a pavimentação.

O descaramento é tanto, vivem num vale tudo, chamando a si méritos alheios e pior passando a ver virtudes onde antes só viam desgraças, mau planeamento e gastos desnecessários!

É ler e ouvir o que diziam nos salões da contestação e informação ao serviço do contra.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

O comunista colocado pelo seu partido na Câmara (vivíamos ainda ano século passado) revelou-se um grande beneficiário (profissionalmente) das decisões da equipa do careca.

Em troca de abstenções em momentos estratégicos, recebe milhares por serviços jurídicos encomendados pela Câmara. Metido neste esquema de tráfico de influências encontra-se também o ''menino'' Zé Manel, a quem a equipa ''cafofiana'' concedeu a benesse de um emprego para a sua actual companheira.

Com estes esquemas e a compra deste dois ''parasitas'', o careca e os seus, não vivem no sufoco de perderem votações.

E ainda falam em transparência.

Passam todo um mandato a fazer estes vergonhosos ''servicinhos'', vendem-se à descarada e as folhas compradas, a velha e mafiosa e agora também a capturada nada dizem!

domingo, 9 de julho de 2017

O putativo candidato que se diz doutor esteve num debate sobre a obra do novo Savoy. Apresentou-se ''no seu melhor'' exibido muita prosápia e vomitando ódio.

Como se tivesse moral para falar, ele que não respeitou a lei e construiu um prédio a menos de 50 metros da histórica capela de São João, ele que passou por cima de todas as regras e foi promotor de uma obra de legalidade duvidosa na zona dos Barreiros.

Este azedo com manias de justiceiro não passa de um má língua sem bases.

Ainda há poucos dias foi desmascarado a propósito de um negócio manhoso num lugar sugestivamente chamado Amazónia, que em tempos foi lugar de festas nocturnas com clientela ao nível do Tó Pó,  agora transformado em parque de estacionamento que não cumpre os mínimos da legalidade como é a não emissão de recibos aos seus utilizadores.

Grande moralista. E que tal se fosse dar banho ao cachorro (ou ao gato).

sábado, 8 de julho de 2017

Está aberto o saque e ninguém se mexe.

O sul africano e os seus sequazes Sousa e os Prada ''manos meios cubanos'' fazem uma ''vidaça'' sem respeito por nada.

Controlam a economia da nossa terra, mandam no jogo, definem as regras da hotelaria, são senhores nos jogos de casino, definem tudo o que se faz na Zona Franca e nos Offshores, tomaram conta do negócio das limpezas nos hotéis, estão na linha da frente para atacar um empresário madeirense que está a investir na Madeira sem recurso a esquemas (têm o apoio de uns idiotas  úteis numa contestação sem sentido)

Eles ao contrário, em conluio com o Sousa manhoso e interesseiro, e com os poderes subjugados, triplicam quartos como é caso do Regency e estão a construir  com licenças duvidosas, caixotes em vidro em terrenos públicos e sem licença.

Esta gente vive há muitos anos a marimbar-se para tudo e todos.

É preciso denunciar esta pouca vergonha!   

sexta-feira, 7 de julho de 2017

A prometida Escola da Ribeira Brava dava um filme de intriga, mentira, descaramento e muita lata.

Ao ''sem malícia'' deram-lhe as competências na secretaria a quem cabe resolver o imbróglio criado pelos ''renovadinhos''.

Mas como o ''nosso'' homem anda sempre em viagens pagas pelo erário público, poupando assim uns dinheiros à sua reforma, falta-lhe tempo para governar e de vez em quando lá se ocupa da coisa pública.

Deu uma resposta esfarrapada ao actual presidente da Câmara (pessoa competente que eles querem afastar) dizendo que as obras da escola teriam início no final do primeiro trimestre de 2017.

O eco da afirmação do ambicioso governante que se deu à ''maçada'' de responder a alguém que foi eleito e responde perante o povo, teve o dedo do escriba que assina VH,  que nem questionou a palavra ouvida ou soprada,  quando devia saber que o concurso para a obra  foi lançado e demora cerca de seis meses entre a abertura, análise e verificação pelo Tribunal de Contas. Se não fosse um''fretista'' teria reparado que com este calendário do ''sem malícia'', a coisa só começa em janeiro de 2018.

A trapalhada à volta da Escola da Ribeira Brava é grande, pois já em 2016 o chefe disse e o ''sem malícia'' confirmou que a obra arrancava em outubro desse ano.

Como está à vista a mentira e a incompetência vive de mãos dadas num conluio entre o ambicioso  governante ''sem malícia'' e o jornalista dos fretes ao serviço da folha inglesa, que recebe milhares todos os meses, retirados aos bolsos do pobre povo desta terra.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

O descrédito da dita classe jornalística madeirense é uma triste realidade nos tempos  que correm. Aquilo são obediências, respeitinho, muito respeitinho, que os dias não estão para ''armar-se aos cágados''.

No folheto confiado ao ''bafos'' eles escrevem o que o dito cujo ordena (nunca facturaram tanto).

Vejamos alguns exemplos;

A sala de Congressos do Casino tem 650 lugares sentados, e concedemos que haja espaço para se ajeitarem em pé umas cem pessoas, mas para agradar aos que vêm pagando usando os dinheiros do povo, escreveram que lá estiveram durante a realização de uma coisa chamada Convenção Autárquica, promovida pelo partido tomado de assalto pelos ''renovadinhos'' duas mil pessoas. O recurso à aldrabice já tinha acontecido na altura do congresso do PSD realizado no mesmo local.

Ora se o PSD apresenta às eleições do próximo mês de outubro, mil e duzentos candidatos e partindo do princípio que todos foram convidados, a coisa fica pelos cinquenta por cento em termos de participação. A mentira teve eco também no papel propriedade de uns novos ricos e agora dirigido pelo saloio que atravessou a Rua Fernão de Ornelas. Aqui falou-se em enchente e grande mobilização por certo num gesto de agradecimento à borla feita na arrematação.

Estes exageros têm sido recorrentes neste modelo de pensamento único que hoje é lei na imprensa diária desta região. Não esqueçamos os quatro mil do Tecnopolo na apresentação da candidatura da menina (nos dois pavilhões que eles ocuparam só cabem dois mil).

Depois há aquela inutilidade a que chamaram Posto de Turismo da Câmara, uma coisa que funciona durante dez hora por dia e estes vendidos, neste caso ao careca candidato, falam numa frequência de trezentas e trinta pessoas por dia, ou seja a cada minuto e meio, sem interrupções é feito um atendimento.

O careca farta-se de regar, mas que diabo, não há um jornalista cabaz de o questionar, desmascarando a ficção.

Os outros dois, os que estão à frente da porcaria publicada diariamente não devem permitir ousadias!  

 

quarta-feira, 5 de julho de 2017

O putativo candidato diz que tem curso superior mas é mais um dos muitos que andam por aí a exibir  coisa que, por vadiação, não chegaram a completar.

Apresenta-se como pessoa séria mas na verdade só é assim quando não exibe o sorriso cínico próprio da sua personalidade não recomendável.

Exibe fortuna fácil herdada, parte dela sonegada à própria igreja.

É um promotor de esquemas e construções ilegais. Nunca é demais lembrar a vergonha de São João, mesmo junto à capela, uma chamada Quinta das Rosas e o fim que levaram os dinheiros que o seu antigo partido recebeu e nunca justificou, ao ponto de ter desaparecido do mapa por ordem do Tribunal Constitucional.

Agora ficamos a saber do esquema que montou num parque de estacionamento manhoso que não respeita a lei (a pessoas pagam para lá estacionar os seu carros em más condições e ainda por cima, recibo nem vê-lo).  E ele apresenta-se como paladino do combate à corrupção, atacando tudo e todos.

Para avaliar o caráter da personagem basta ver quem anda e tem andado ao seu lado.

Baltazar da família que durante anos espezinhou os colonos sujeitos ao vergonhoso regime em boa hora extinto pelo primeiro Governo da Autonomia, o descendente de ingleses que se fartaram de explorar os agricultores e os produtores da cana-de-açúcar, os idiotas úteis Tó Pó e Dionisio da barriga dilatada e agora com lugar na putativa lista, um mau profissional de saúde conhecido pelo seu mau feitio, por trabalhar pouco, e pelos ódios vomitados nas cartas do leitor e comentários  publicados no on-line do folheto inglês, onde se exibia de camisa amarela.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Voltamos ao mesmo mas a criatura para além de ser pouco inteligente continua a ultrapassar as marcas não respeitando nada nem ninguém.

Todos nos lembramos que chegou a ser expulso do partido por ter apoiado e participado na campanha autárquica de 2013 do candidato socialista e hoje presidente da Câmara do Porto Moniz.

Apesar deste comportamento ressabiado esta malta que agora manda no partido voltou a abrir-lhe as portas como prémio pela sua deslealdade ao líder de então.

Julgando-se importante e influente lá pelo Norte da ilha, agora veio pedir o voto num ''pelintra'' que chegou a integrar a equipa do actual autarca socialista do Porto Moniz.

É para um partido que integra gente desta, que agora pedem unidade?

Que querem coesão?

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Definitivamente a escolha da criatura para o governo revelou-se um verdadeiro desastre.

Ele inventa e diz umas tontices sempre que lhe dão corda e colocam um microfone à frente. Acaba de falar numa aberração que resolveu batizar de ''vacas limousine''. Ele que regista no seu percurso profissional uma carreira de mau gestor, anunciou de forma leviana uma espécie de prosperidade repentina para os nossos criadores de gado e em consequência uma nova fonte geradora de riqueza para a Madeira.

O que ele não disse porque é incapaz e não estuda nada é que a implementação de um programa destes custa muito dinheiro em alimentação especial para os animais a que se junta a pequena dimensão dos nossos pastos, factores que desmotivam qualquer pessoa minimamente informada sobre o assunto. 

Por outro lado, nos Açores onde existem explorações que se dedicam a este negócio, há condições  que nós não possuímos, acontecendo o mesmo no território continental.

Ele não percebe que há uma escala que separa um bom negócio ou uma boa ideia, de uma aventura sem sentido e rentabilidade.

Aquilo é só abrir a boca.

Exportar carne de vaca da Madeira?

E que tal se começassem a pensar na exportação de um secretário regional!      

domingo, 2 de julho de 2017

Acenaram-lhe com um maço de notas e ele foi a correr para o outro lado da rua. Era preciso fazer o frete ao  antigo ''sócio'' das pirâmides que enganou muitos na Venezuela e dar boa cobertura ao chefe e àqueles que com ele fazem equipa.

O papel rebaptizado é só elogios.

O dinheiro subtraído aos bolsos de povo sai do orçamento e faz uma viagem enviesada para a Calheta com passagem pela Ribeira Brava e finalmente cai nos cofres daquilo a que passaram a chamar JM.

No essencial tudo continua na mesma.

O povo continua a pagar.

Perder dinheiro? Mas quem é que quer perder (enterrar) dinheiro?

Ainda por cima sem nada em troca? Mas alguém acredita?

sábado, 1 de julho de 2017

O funcionário que assume o papel de pau mandado do Terreiro do Paço, continua a gabar-se da sua desastrada gestão dos dinheiros do povo madeirense.

Agora teve a grande lata de afirmar que a Região pagou em 2016 cerca de 360 milhões de euros ao governo de Lisboa enquanto continua a falar de um superavit que só serviu para o governo da ''geringonça'' baixar o seu défice.

''Grande'' estratega o peste.

O feito de que ele se gaba constantemente foi conseguido à custa das poupanças dos madeirenses e dos porto-santenses e das empresas que continuam a ser massacrados com os impostos mais altos do país, seja em IVA, IRS ou IRC.

Enquanto a criatura desgoverna o povo continua a assistir aos gastos dos incompetentes que passam a vida a bordo de aviões em viagens para a África do Sul (então para Inglaterra é um fartote), e também para os Estados Unidos.

Com esta pequena figura o poder está a ser entregue ao continente.

Pior só o anormal Passos, o tóxico que que descredibiliza todos os dias o seu partido e foi o grande responsável pela subida ao poder da geringonça.

E o tal que um dia destes falou em união teima em andar de braço dado com este ressabiado.

Neste caso devem ser coisas de irmandade!